%> ABAL - Artigos

Especial

 

  DICAS PARA UMA BOA CONVIVÊNCIA COM O TRABALHO

No trabalho: concilie seus filhos e trabalho

Entrevista de emprego:

» Introdução
» Antes: planejamento
» Durante: objetividade
» Depois: paciência 

Dicas:
»
Cause uma boa impressão
» Vida pessoal
» Situações embaraçosas

Para imprimir:
»
Modelo de currículo
» Carta de apresentação

Veja também:
»
Preconceito da idade
» O que eles querem saber
» Perguntas do entrevistador
» Vestimenta ideal
» Concilie filhos e trabalho

Você quer ser uma grande profissional ou uma grande mãe ou um grande pai?

Há pessoas que afirmam que não dá para ser as duas coisas ao mesmo tempo. O fato dos pais trabalharem pressupõe que a educação de seus filhos sempre terá uma lacuna, algo que nehuma avó, escola ou babá conseguirão suprir?

Será que os pais que trabalham mantêm relacionamentos tão bons com seus filhos quanto os que estão em casa em período integral?

Essas e outras dúvidas estão sempre presentes na vida de algumas mulheres e homens que tem filhos para criar e educar.

Mas, o que fazer?

"A partir da década de 60 a condição do relacionamento com os filhos e o trabalho mudaram bastante, principamente a condição da mãe que tem que ter muito jogo de cintura para lidar com essa situação. Ser maleável é requisito fundamental para as mulheres que querem ser uma boa mãe e ótima profissional", afirma Cristina Spera, gerente de conteúdo da empresa de Recursos Humanos Bumeran do Brasil. "Eu mesma tive que me readaptar quando nasceu minha filha. Eu estava com 24 anos, era recém-formada e optei por trabalhos com horários 'formais'. Meus sábados e domingos eram só para minha filha. Trabalhei muito como free lancer para que meu tempo com ela fosse maior", completa.

E o que dizem os psicólogos?

Trabalho e filhos são incompatíveis? Madalena Ramos, psicóloga e coordenadora do Núcleo de Casal e Família da PUC-SP, diz que não se observam grandes diferenças entre crianças de mães que trabalham e das que ficam em casa, desde que a figura materna e paterna estejam presentes quando possível.

"Há pequenas deficiências nas duas situações. A mãe que trabalha pode se sentir meio constragida em impor limites ao filho. Ela não quer estragar o pouco momento que passa com a criança, então deixa de lado as broncas na hora que elas deveriam e precisavam ser dadas. Mas a mãe que fica o dia inteiro em casa também pode 'falhar'. Ela é capaz de passar o dia inteiro num canto da casa e a criança no outro", completa a psicóloga. Ou seja, preze pela qualidade do tempo que você passa com seu filho. Às vezes, a quantidade não é a melhor opção.

Leia mais sobre o assunto: http://www.abal.com.br/artigosview.asp?id=192

 





Nossa Empresa
  Home
  Nossa Empresa
 Produtos e Serviços
CURRICULUM
  Cadastro de Currículo
  Cadastro de Autônomo
  Cadastro de Deficiente
  Alterar/ Excluir Currículo
Vagas
  Cadastro de Vagas
  Pesquisa de Vagas
Canais
  Artigos
  Dicas
  Notícias
 Abal na Imprensa
  Pesquisa de Salários
  Fale Conosco