%> ABAL - Artigos

Especial

 

  DICAS PARA UMA BOA ENTREVISTA  DE EMPREGO

Na entrevista: perguntas difíceis

Entrevista de emprego:

» Introdução
» Antes: planejamento
» Durante: objetividade
» Depois: paciência 

Dicas:
»
Cause uma boa impressão
» Vida pessoal
» Situações embaraçosas

Para imprimir:
»
Modelo de currículo
» Carta de apresentação

Veja também:
»
Preconceito da idade
» O que eles querem saber
» Perguntas do entrevistador
» Vestimenta ideal
» Concilie filhos e trabalho

Elas são como “pegadinhas”, feitas não para você “responder”, mas para avaliar a maneira como encara e enfrenta os problemas da vida. Assim, não há respostas certas ou erradas; há “atitudes” que você deixa transparecer nessas respostas.

Ser simples e direto é o melhor caminho para o sucesso. Entenda o que está por trás de algumas perguntas e livre-se das “armadilhas “:

Fale-me de sua vida pessoal.

Seja suscinto e objetivo. Fale apenas o que for mais relevante.

As respostas devem focar sua vida comum, (sou casado, tenho 2 filhos, moro em um bairro de classe média, freqüento o clube, sou psicólogo etc... ).

Nunca devem ser citados problemas que estejam ocorrendo com você ou sua família (estou com problemas familiares devido a minha falta de emprego há um ano, moro com minha sogra e sogro que estão doentes, meu filho é drogado etc.) ou dimensionamentos religiosos e políticos.

Também não cite assuntos que possam provocar controvérsias (meu clube preferido é..., meu ídolo político ou religioso é...). Embora você esteja falando de sua vida pessoal, a entrevista é de emprego. Não se esqueça de comentar o máximo possível fatos de sua vida profissional.

Fale-me da sua vida profissional.

O entrevistador quer que você fale sobre sua atuação, apontando resultados. Conte o que você realizou. Ele quer saber também sua performance foi reconhecida pelo equipe e pela chefia e por que você deixou o emprego. Evite ser venenoso. Não jogue toda culpa na empresa e nos superiores. Se a culpa foi realmente deles, não mostre raiva ou ressentimento, nem se julgue injustiçado.

Qual foi sua melhor realização profissional? Dê alguns detalhes.

Esta é a sua grande oportunidade de completar o seu marketing pessoal. Se o seu relato causar impacto positivo, não abuse oportunidades. Não se empolgue, falando
demais.

Como você descreve sua própria personalidade?

Nunca descreva sua personalidade como marcante, difícil ou forte – para o selecionador estas características podem denotar uma pessoa “encrenqueira”, difícil de se conviver no dia-a-dia, ou forte demais a ponto de ser intransigente. Tente passar uma idéia de personalidade cooperativa, entusiasta, criativa, conciliadora, objetiva e prática. E fale de sua marca registrada: o que diferencia você das outras pessoas?

Quais são seus defeitos?

Todo profissional pode ter defeitos que se tornam virtudes aos olhos de certos entrevistadores. Por exemplo: meu defeito, que eu não considero exatamente um defeito, é me envolver demasiadamente com o meu trabalho, ou é ser perfeccionista e prático no meu trabalho.

Jamais considere esta pergunta no campo pessoal, sempre no campo profissional e tentando passar uma idéia de que aquele seu defeito pode tornar-se muito útil para a empresa. Exemplo: Sou muito observador, no entanto há pessoas que me julgam tímido. “Eu me adapto facilmente a novas situações, no entanto há pessoas que me rotulam de “Maria vai com as outras”.

Quais são seus pontos fortes?

Não é para mostrar que você é bom (quem faz esta pergunta necessariamente fará a próxima). Saliente suas características marcantes. Exemplo: espírito de equipe, liderança, prô-ativo, disposição para lutar e vencer desafios.

Quais são seus pontos fracos?

Você deve demonstrar que seus pontos fracos eram fracos e que já foram ultrapassados com sua autocrítica e perseverança. Se você pretende abrir claramente quais são suas deficiências, cuidado! Isto pode ser decisivo em seu processo de contratação. Use pontos periféricos como, por exemplo, sou secretária português, mas meu ponto fraco é o inglês, se isso não interferir em nada no trabalho atual.

Por que você saiu da empresa?

Nunca cite: problemas de relacionamento com a chefia ou com colegas de trabalho, insatisfação financeira ou outros problemas que possam interferir diretamente na continuidade do processo, ou que reflitam uma má imagem sua. Resposta comum que sempre funcionam: “Uma reestruturação ou um novo direcionamento nos negócios e objetivos da empresa tornou minha situação profissional desconfortável. Permanecer mais tempo poderia comprometer minha carreira”.
Não mencione injustiças ou perseguições. Não fale mal da empresa.

Por que você quer sair da empresa?

Todo profissional entra em uma organização para resolver problemas. Se, passado muito tempo e sem uma clara visão externa da empresa, ele começa a fazer parte do problema, está na hora de mudar de emprego (antes que façam isso por ele). Como dizer isso de forma mais amena para os recrutadores? Aí vão, novamente, respostas prontas que sempre funcionam: Procuro novos desafios, Eu tenho um bom potencial, o mercado está ruim, mas eu acredito em mim.

Viram como não é tão complicado assim sair-se bem de “pegadinhas” na entrevista de seleção? Basta ter em mente uma coisa: a empresa busca um (ou uma) solucionador (a) de problemas. Então, prove que você é bom de resultados, e boa sorte.

Leia mais sobre o assunto: http://www.abal.com.br/artigosview.asp?id=233

 





Nossa Empresa
  Home
  Nossa Empresa
  Produtos e Serviços
CURRICULUM
  Cadastro de Currículo
  Cadastro de Autônomo
  Cadastro de Deficiente
  Alterar/ Excluir Currículo
Vagas
  Cadastro de Vagas
  Pesquisa de Vagas
Canais
  Artigos
  Dicas
  Notícias
 Abal na Imprensa
  Pesquisa de Salários
  Fale Conosco