Dos artesãos à geração 24 x 7
A história do trabalho é marcada por grandes mudanças. Há um século, o que prevalecia era a exploração dos trabalhadores. Hoje, é a vida fora do escritório
Até o século XVII - A produção artesanal
Século XVIII
- A revolução industrial
 
O trabalho ocorre em oficinas coletivas e os trabalhadores participam de todo o processo de confecção. O mestre ensina um aprendiz, que anos depois se torna um novo mestre Surge a mecanização dos processos de produção. A mão-de-obra é formada principalmente por artesãos e camponeses. Condições de trabalho precárias, salários baixos e jornadas de até 80 horas semanais sufocam os trabalhadores

1911
- O taylorismo
 
1920 - O fordismo
O americano Frederick Taylor (1856-1915), o pai da Administração Científica, introduz a divisão de tarefas nas fábricas. Organiza o trabalho para evitar o desperdício de tempo, aumentar a produtividade e combater a anarquia. É a era da função repetitiva, que desumaniza os trabalhadores O americano Henry Ford (1863-1947), fundador da Ford, cria a linha de produção em massa, sustentada pela padronização dos processos. O filósofo italiano Antonio Gramsci (1891-1937) chama o fordismo de “ultramoderna forma de produção”

1932
- Valorização das pessoas
 
1950 - A produção enxuta
O australiano Elton Mayo (1880-1949) lidera um estudo numa fábrica da GE nos EUA. A pesquisa mostra que a produção aumenta se os trabalhadores são bem tratados. Começa uma tímida valorização do ser humano O modelo de produção enxuta idealizado pelo fundador da Toyota, Sakichi Toyoda, introduz o just-in-time (a peça necessária, na quantidade necessária, no momento necessário). Os operários ganham autonomia para interromper o processo de produção

1954
- A invenção do gerente
 
1970 - Capitalismo pop
Austríaco naturalizado americano, Peter Drucker (1909-2005) publica A Prática da Administração, que lança as bases da gestão moderna. Drucker esquadrinhou cada área da administração. Estabeleceu o papel do gerente e elaborou o método de gestão por objetivos Surge uma geração de empresários voltados a novas tecnologias, que se tornam estrelas pop. Em 1975, Bill Gates cria o software que popularizaria o microcomputador. Em 1976, Steve Jobs funda a Apple e cria o Macintosh, o primeiro microcomputador com interface gráfica

1980
- Trabalho em equipe
 
1996 - A geração da internet
Em reação ao crescimento da economia japonesa, empresas americanas copiam o sistema de gestão dominante no Japão. Trata-se da valorização do trabalho em equipe. Grupos de trabalhadores desenvolvem idéias para apresentar a seus chefes O Google, empresa criada pelo americano Larry Page, de 24 anos, e pelo russo Sergey Brin, de 23, ganha dinheiro com negócios virtuais ao mesmo tempo que cria uma cultura de trabalho baseada na liberdade e na criatividade
1997 - A marca chamada você
2007
- O trabalho 24 x 7
 
O consultor americano Tom Peters publica um artigo intitulado “A marca chamada você”. Segundo ele, para ter sucesso é preciso ser “presidente de sua vida profissional”. Isso significa viver de projetos próprios. É um reflexo da redução dos empregos formais Graças à tecnologia digital, profissionais ficam ligados à empresa 24 horas por dia. É a vida frenética na era da globalização, que atropela fusos horários e derruba os muros entre o trabalho e o lar. Um símbolo dessa nova fase é o BlackBerry, aparelho multifuncional que reúne serviços de e-mail, internet e celular

Consultoria: Sérgio Amad, professor de Recursos Humanos e Relações Trabalhistas da Fundação Getúlio Vargas