DIZER A VERDADE: é a melhor saída

“Além de ser muito melhor
dizer a verdade é também um
gesto de profissionalismo e competência”

É difícil alguém acreditar quando depois de muita pergunta a telefonista de uma organização ou empresa onde telefonamos, retorna dizendo que a pessoa procurada está em reunião.

Excesso de trabalho, diminuição da estrutura funcional da empresa, pouco tempo, tudo isso é comum no dia-a-dia profissional. E a medida em que vêm as promoções, acumulam-se também os compromissos. Como resultado, sentimos a sensação de pouco tempo para muitas coisas a serem feitas. Daí caem no erro de faltar com a verdade, inventando um motivo que imaginamos servir como justificativa.

Conheço pessoas que mesmo estando envolvido com uma série de atividades profissionais e particulares, sempre encontram tempo para atender a todos que procuram. Retornam na primeira oportunidade todas as ligações que deixaram de atender. Que tal espelhar-se nestas condutas e repensar a sua? Que tal falar a verdade?

Nos dias de maior atribulação, quem cuida ou orienta o atendimento deve justificar que a pessoa procurada encontra-se em um dia particularmente difícil ou em atividade externa, e que não poderá atender naquele momento, mas retornará a chamada assim que estiver mais livre ou retornar a empresa. Deve ainda observar e fazer esforços para que a pessoa procurada realmente seja também cumpridora de bons modos e retorne o chamado o mais breve possível. Na impossibilidade, você deve retornar a ligação explicando os motivos.

É lógico que existem as ligações inconvenientes que podem ser identificadas, como aquelas que pedem doações por telefone, vendem jornais e revistas, que pedem emprego, porém nem por isso vamos deixar atendê-las com cortesia, que neste caso devem ser orientadas para enviar uma correspondência, sem necessidade de transferência para outra pessoa.

Outras dicas teriam, porém o mais importante é o seu compromisso com a verdade. Perguntar quem está falando e depois retornar dizendo que a pessoa procurada está em reunião, nem pensar.

Trabalhe como se você fosse o outro lado da linha, e que merece a sua atenção. Faça com os outros aquilo que acha justo ser feito com você.

Em pouco tempo entenderá que, além de ser muito melhor dizer a verdade, é também um gesto de profissionalismo e competência.

João de Araújo é pós-graduado em RH, advogado atua na área trabalhista, diretor da Abal Gestão de Serviços Ltda.