CURSOS: AJUDA NA CARREIRA PROFISSIONAL

“Se o mercado exige profissional especializado, que tal
ser mais do esta exigência e se transformar num profissional
multi especializado”

Neste final de século e início de outro, a educação tem se revelado o maior patrimônio das pessoas. Os cursos devem criar o ambiente educacional integrado com o trabalho. A maioria dos formados sai da escola sem, no entanto ter contato com o trabalho ligado à atividade profissional no curso que estudou.

Hoje no trabalho não se coloca um “x” onde está certo ou errado. É necessário executá-lo na prática, aplicar conhecimento e apresentar resultados. Existe por parte das escolas a tendência em ensinar muito do que era importante no passado e muito pouco do que será importante no futuro.

É certo de que no futuro faltarão empregos, mas não faltará trabalho. É exatamente para atender este trabalho que o estudo deve voltar-se para preparação dos profissionais. Hoje o mercado de trabalho é uma grande competição onde vence os mais capacitados, e o estudo aliado a outros fatores traduz-se num componente importância, quando se decide a contratação de um profissional.

Na atualidade os cursos mais indicados, além da educação básica (ensino fundamental, colegial e superior) são aqueles ligados ao desenvolvimento profissional do trabalhador, ou seja, qualificação e requalificação profissional,por exemplo, os cursos para os profissionais que trabalham com informática, também que necessitam de complementação, como o engenheiro mecânico onde se exige conhecimento de eletrônica, hidráulica, devido às inovações do setor.

Enquanto que para o futuro os cursos mais indicados são aqueles relacionados com a evolução do mercado, por exemplo: o ramo de telecomunicações, TV digital, absorverão muitos profissionais por um longo período, outro grupo de profissões em alta são os especialistas em software da Internet, e principalmente cursos que tenham a ver com exportação e agro indústria, visto que o Brasil está se expandindo nestas áreas.

Para os profissionais de 30 anos, já deve pensar na sua idade de 40 anos, quando possivelmente não terá emprego, devido à idade (o mercado brasileiro tem a tendência de considerar esta idade fora do mercado de trabalho). Assim já deve começar a sua preparação para uma atividade autônoma ou ter uma pequena empresa, e todo curso que venha a atender este plano, como por exemplo, o curso de economia, publicidade e advocacia serão de muito valor.

Os profissionais empregados devem superar a discussão acadêmica do: que vai pagar curso, se será durante ou depois do expediente, se receberá horas extras, os compromissos, etc.. Tudo esses assuntos se não superados da forma adequada trará grande prejuízo para o profissional e para a empresa.

Sofremos com o analfabetismo afetivo, funcional e profissional. O mundo está caótico e todo mundo se acha o máximo sem ter passado pelo mínimo e médio. Para encerrar quero lhes dar a seguinte sugestão: se o mercado exige profissional especializado, que tal ser mais do esta exigência e se transformar num profissional multi especializado”
.

João de Araujo, pós-graduado em RH, advogado e assessor trabalhista, e diretor da Abal Gestão de Serviços Ltda.

Fechar Menu