O PRIMEIRO EMPREGO

O PRIMEIRO EMPREGO

O primeiro emprego a gente nunca esquece e por vários motivos. É quando a gente sente que realmente se tornou adulto, tem mais responsabilidades e tem um gostinho de receber um salário por um esforço que é só nosso. Mas como é difícil conseguir esse tão sonhado emprego…

“A juventude é a que mais sofre, os jovens de 16 a 24 anos são os que tem maior taxa de desemprego”, diz José Pastore, especialista em relações do trabalho. Segundo o IBGE, dos mais de 2 milhões e 300 mil desempregados nas 6 regiões metropolitanas do país, 479 mil estavam em busca do primeiro emprego e 600 mil eram responsáveis pela família.

Priscila da Cunha, escrevente, começou a ir atrás do primeiro emprego com 16 anos porque precisava ajudar em casa. “Eu sabia que se não começasse a procurar o primeiro emprego cedo, eu nunca poderia estudar, nunca poderia chegar a fazer uma faculdade”, disse.

Ela conhece bem a angústia de quem passa por isso. Os irmãos Aislan e Abner estão na batalha pelo primeiro emprego desde antes de terminar o Ensino Médio. Até agora conseguiram muito pouco. Aislan Cagni, de 17 anos, só fez bicos de auxiliar geral em uma empresa de alumínio. “Eu carregava peso, de um lado para o outro”, afirmou. Para seu irmão Abner Cagni, de 16 anos, “eles já exigem que você tenha experiência em alguma coisa, já tenha trabalhado”.

E além de experiência, hoje as empresas exigem cada vez mais do candidato. “É imprescindível a qualificação. Então tem que estudar, tem que se formar”, diz Valéria Riccomini, gerente de RH. Quanto mais qualificação você tiver, maiores são as chances de se conseguir emprego. Então o negócio é arregaçar as mangas e não perder tempo. Se você tem nível universitário, faça constantemente cursos de especialização. Uma pós-graduação conta muitos pontos. Se você tiver só o Ensino Médio, procure cursos profissionalizantes, como Sesi, Senai, Senac, ou até mesmo nas prefeituras da sua cidade.

Em Recife, os jovens podem procurar qualquer uma das 18 agências de trabalho de Pernambuco. Eles aprendem como se comportar nas entrevistas, a fazer o currículo e até identificar a própria vocação profissional. Neste ano, 11 mil e 300 jovens de 16 a 24 anos devem receber uma ajuda de custo de R$ 150,00 por mês e mais: devem sair com uma indicação de trabalho. É uma boa dica pra quem procura o tão sonhado primeiro emprego.

As ONGs também oferecem cursos. Salvador tem uma experiência que está dando muito certo. Música, culinária, marcenaria, confecção, computação gráfica. Para aprender uma profissão, tudo que os jovens aqui de salvador precisam é procurar uma das 17 ONGs que oferecem cursos de formação profissional voltados para o primeiro emprego. Cerca de 1500 adolescentes são atendidos por essas organizações todos os anos.

Os alunos de uma escola da capital bahiana estão tendo aulas de informática aplicada à administração. Graças a parcerias, saem daqui para serem aprendizes em empresas. O trabalho que eles fizeram com a gente para conhecer mais o mundo, o trabalho, o mercado, os programas que a gente aprendeu aqui. Acho que ajudou bastante, disse uma das alunas.

Você encontra exemplos assim por todo o Brasil. Agora tem algumas dicas que valem para todos que procuram emprego, independentemente do nível de instrução.

– Informe-se. os jornais e revistas sempre trazem notícias de empresas que estão abrindo vagas;
– Entre nos sites das empresas na internet.
– Fale com seu professor ou com alguém que já trabalhe.
– Além de falar bem o português, aprenda outros idiomas;

“Tem que ter iniciativa, tem que buscar soluções, tem que fazer com que o trabalho que ela esteja desenvolvendo, o negócio que ela está seja um negócio próprio. Sabe aquela questão de ter sucesso, de ir em busca, de ter garra”, completou Riccomini.

Garra não faltou à Daniela, que trabalha há 11 anos na rede de farmácias que lhe deu a primeira oportunidade. “Passei de auxiliar a encarregada, de encarregada a balconista, de balconista a sub-gerente e hoje sou gerente”, disse Daniela Vieira.Tem empresas que querem investir sim, em quem não tem experiência. “A empresa apostou em formar sua própria equipe e essa formação tem dado muito certo porque nós contamos com pessoas extremamente motivadas”. Ângela Loyola, gerente de loja. “Então podem vir, que a gente está sempre recebendo”, completou.

Como conselho para quem está na batalha do primeiro emprego, Daniela aponta: “Ficar mesmo atento às oportunidades, porque tem. Hoje tem bastante empresa que tem dado oportunidades para jovens, para menores e ter humildade e correr atrás. Tem que tentar”.