MERCADO DE TRABALHO

O que você vai ser quando crescer?

Aberta a temporada de inscrições para o vestibular, é hora de decidir que profissão escolher. Veja como funcionam algumas orientações vocacionais e as dicas que podem ajudar nessa escolha.

Todo mundo já ouviu pelo menos uma vez na vida aquela clássica pergunta: o que você vai ser quando crescer? Só que o tempo passa rápido, a gente cresce, o momento chega e aí? Que profissão escolher?

“O que a gente coloca para os pais é que eles devem tentar que isso não atrapalhe o encaminhar desse jovem, que a ansiedade fica tão exacerbada para os pais, lógico, que essa ansiedade passará para os filhos”, diz o psicólogo Sílvio Bock.

É a responsabilidade de fazer a escolha certa. E o que pode ajudar você que está tão em dúvida neste momento a fazer essa escolha da profissão? Primeiro, procure ler bastante sobre o que você gosta. Reflita: será que eu vou gostar de fazer isso todos os dias? Outra pergunta importante: quais são as perspectivas dessa profissão no mercado de trabalho? Agora, se depois dessa reflexão você ainda tiver dúvidas, fazer uma orientação vocacional pode ser uma boa saída.

Hoje o teste vocacional simples, com perguntas de múltipla escolha, não é o mais eficiente, segundo os especialistas. Os programas mais indicados são aqueles que levam de oito a 25 sessões. Em alguns casos, meses de orientação.

Em uma escola de Manaus, o trabalho que pode revelar a futura profissão dos estudantes começa no primeiro ano do Ensino Médio. O processo dura três anos. É um projeto de orientação vocacional, em que são desenvolvidos vários tipos de atividades. “De 80% a 90% dos alunos que a gente entrou em contato e fez um acompanhamento das respostas conseguiram fazer uma escolha mais adequada”, disse a psicóloga Milena Derzi.

Muitas universidades públicas oferecem cursos de graça. O “profissiogame”, por exemplo, é um tipo de jogo que ajuda os estudantes a descobrir a carreira que eles realmente querem seguir. Na Universidade Federal de Santa Catarina os professores usam brincadeiras, teatro, filmes, entre outras várias técnicas de orientação profissional. O trabalho é feito em grupo e a primeira etapa e de auto-conhecimento.

“Esta etapa é tão importante porque como é que você vai escolher a profissão se você não sabe quem você é. Eles não sabem todas as possibilidades que existem em cada profissão, por exemplo, a profissão de educação física, então acham que vão ser professores de escola. E na verdade tem mil outras atividades que um professor de educação física faz”, explica a professora. A orientação é gratuita, dura até dois meses e os encontros são semanais.

Às vezes o jovem não percebe que pode estar equivocado. Foi o caso de Vilmar Laureano. Quando terminou o curso técnico em mecânica, achou que sua vocação era a engenharia. Achou, mas não era. “Fiz teste vocacional e percebi que deveria fazer área administrativa”, contou. Vilmar tomou coragem e, no quinto ano da faculdade, largou a engenharia para fazer administração. “Isso é até uma coisa que eu indico pras pessoas porque é muito difícil você romper alguma coisa mas nunca é tarde pra romper”, disse Vilmar.

Este é o grande conselho dos especialistas: decidir sobre a profissão é apenas a primeira escolha da sua vida, muitas outras virão. É normal ficar em dúvida, a gente gosta de muitas coisas mesmo. Se por acaso você resolver mudar de rumo, como o Vilmar, não se desespere, no começo pode ser difícil, mas o resultado certamente vai ser melhor.

Fonte: Jornal Hoje – Tv.Globo