O MAPA DOS EMPREGOS

O MAPA DOS EMPREGOS

Nas seis regiões metropolitanas do país, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Salvador e Recife, mais de 2,2 milhões de pessoas estavam desempregadas em fevereiro deste ano.

São pais de família, mulheres que sustentam a casa, jovens que buscam uma oportunidade. Aliás, segundo a última pesquisa mensal do IBGE, os jovens que têm entre 15 e 24 anos são os mais prejudicados: somam 46,3% dos desempregados. Gente que tem um mesmo objetivo pela frente: conseguir uma vaga de emprego.

O Jornal Hoje vai mostrar que existem caminhos que podem tornar mais fácil essa busca. A partir de hoje você vai acompanhar a ansiedade da procura pelo primeiro emprego.

“Quase todo emprego que você vai procurar exige dois anos de experiência”, diz um candidato.

Mas vai saber também que tem muita empresa com plano de carreira para quem nunca trabalhou.

“A gente faz pelo menos um processo seletivo por mês. Então podem vir, a gente está sempre recebendo talentos novos”, afirma a gerente de treinamento Ângela Loiola.

Onde estão os empregos?

“Não pense em arranjar emprego no local onde você mora ou então na calçada da faculdade onde você se formou. O Brasil é muito grande e está diversificando muito as atividades”, fala o especialista em relações do trabalho José Pastore.

No Amazonas estão sobrando vagas para médicos em Coari, a cem quilômetros de Manaus. Tudo porque os profissionais não querem trabalhar no interior do Estado, por não se adaptarem ao clima e à cultura locais. E olha que o salário é bom: R$ 7,5 mil líquidos, fora os adicionais dos plantões.

Você não é médico, não dá para aproveitar essa chance? Não tem problema. Há outras profissões que não param de crescer.

Chef de cozinha: uma pesquisa do Centro Universitário do Senac apontou que quase 90% dos alunos que estudam gastronomia conseguem emprego na área.

Designer de jogos eletrônicos: o mercado brasileiro é tão promissor que já tem empresa exportando jogos para a Rússia e Inglaterra.

E cuidador de idosos: pessoas que se especializam em acompanhar idosos com muito carinho, paciência e bom humor.

E se você já está no tão esperado emprego, como se comportar e conseguir aquela promoção?

“Faz um cursinho aqui, faz outro ali… Aí quando surge outra oportunidade tem de dizer ‘gente, estou aqui, não esqueçam de mim, estou me especializando’”, sugere o economista Agnaldo Paim de Souza.

Os baianos também estão.

As ONGs encontraram uma nova forma de ajudar os jovens carentes com cursos profissionalizantes. Em Salvador são dezenas de cursos que agora estão voltados para as nossas características regionais.

Exemplo: aprendiz de restauração de obras de arte e prédios históricos, profissão em alta por conta do patrimônio da cidade. Outro exemplo: mestre ferramenteiro de objetos do candomblé. Durante dez meses jovens que fazem o curso têm aulas teóricas e práticas, aprendem a fazer adereços de orixás, como um espelho de Oxum, a rainha das águas doces.

Enquanto umas profissões se regionalizam, outras nascem de olho no futuro. Você sabe o que é engenheiro de conhecimento?

É aquele que cria inteligência artificial, traduz o conhecimento dos especialistas e os coloca em softwares.

E ator virtual?

É aquele ator que só aparece em fotonovelas e filmes veiculados na internet. É daqui para o mundo. Paro outro lado do mundo.

Quem tem qualificação tem mais chance de conseguir emprego nos Estados Unidos. É nos setores de saúde e educação que as ofertas mais têm crescido com seus restaurantes, lojas e turistas.

Situação contrária à vivida pelo Japão. A população está encolhendo e falta gente para ocupar as vagas que exigem menor qualificação, como chão de fábrica e a construção civil. Por isso, o Japão está importando mão-de-obra. Hoje 300 mil brasileiros estão morando e trabalhando no Japão e ganhando, em média, três mil dólares por mês.

Situação bem diferente da vivida pelo trabalhador do Brasil. Sessenta e seis por cento dos brasileiros ganham hoje, em média, um salário mínimo e meio e calcula-se que 60% estão na informalidade como alternativa à falta de trabalho.

Sabemos que o desemprego é um problema difícil de ser solucionado, mas junto com empresários, especialistas em recursos humanos e pessoas que passaram por tantas experiências vamos dar dicas, sugestões e muita orientação sobre o mercado de trabalho.
Fonte: Jornal hoje – TV Globo