DESENTULHE-SE

DESENTULHE-SE

Ocorre que há anos venho acumulando entulhos em minha casa, coisas materiais que não servem para nada. Construí até um barraco para acomodar tudo, objetos diversos, que já deviam estar no lixo há muito tempo. A causa desse apego ao entulho é que sempre acho que um dia vou precisar deles.

Recentemente resolvi dar um basta neste comportamento inútil. Percebi que é uma doença de fundo psicológico e meu tratamento consistia nas respostas de 3 perguntas: em que isso pode estar me ajudando… por que acho que um dia vou precisar disso… por que não paro com isso…

Todas as respostas levaram a dar conta que o meu tratamento era simples, bastava apenas desentulhar-me. Feito o diagnóstico, tive um ato de coragem pedi para colocar o barraco no chão, e comecei a ficar livre das tranqueiras velhas, caixas e mais caixas, velharias, parafusos móveis e um monte de quinquilharias que deverão ser jogadas para sempre.

Confesso que a cada objeto que ia para o lixo era como se fosse um pedaço de mim. Muitas coisas foram queimadas, e pude sentir como se estivesse queimando a minha própria pele. Era puro apego e jamais poderia imaginar que dizer “bye, bye entulhos” iria doer tanto.
Posso afirmar que livrar-me desses entulhos é o mesmo que ferir a própria alma.Após esse episódio dramático em minha vida, senti o quão leve fiquei e que felizmente hoje me encontro curado.

Hoje consigo entender o que sente um favelado quando a justiça determina a derrubada do seu barraco, construído em uma área verde qualquer. Não é o fato da destruição em si, mas ao seu apego por aquelas velhas tábuas envolvidas em histórias de sofrimento, que nada mais é que um monte de entulhos.

Aposto que se tentarem transferir para uma casa de alvenaria novinha, haveria resistência da mesma forma. Não é o fato da destruição em si, mas ao seu apego por aquelas velhas tábuas envolvidas em histórias de sofrimento, que nada mais é que um monte de entulhos. Aposto que se tentarem transferir para uma casa de alvenaria novinha, haveria resistência da mesma forma.

Mas não quero descambar para o problema social, agora saio do meu para falar do seu entulho. Os de ordem material se você me entendeu já sabe como resolver. Mas a finalidade desta escrita é sobre os entulhos que guardamos dentro de nós e carregamos pela vida afora.

Que tal procurar fazer uma avaliação e executar uma faxina dentro de você, para colocar no lixo tudo que não presta. Que tal construir sua vida prática com coisas novas, novos pensamentos e idéias, nova forma de se viver, porque entulhos não são apenas velhos objetos e tranqueiras, são atitudes antigas ou antiquadas, ódios, remorsos, arrependimentos que guardamos e não renovamos. Limpe a sua mente todos os dias, caso contrário ela começará acumular maus pensamentos, mágoas, rancores, recalques, ódios, medos…

A partir do desentulho, sua vida sofrerá mudanças e mudará para melhor. Quando olhar para trás, verá que estarás mais arejado, mais leve e as melhorias e o crescimento interior serão tão grandes que poderá dividir a sua vida em antes e depois dos entulhos.

Ivan Lins em sua composição Bilhete, bem retratou o tema:

Eu limpei minha vida, te tirei do meu corpo

Te tirei das entranhas

Fiz um tipo de aborto

E por fim nosso caso acabou, está morto

Fechar Menu