INSPIRAÇÃO OU TRANSPIRAÇÃO?

“é preciso harmonizar inspiração com esforço.
Nada de definir um percentual, mesmo porque corre o
sério risco de desequilibrar a relação entre uma coisa e outra”.

Certa vez estava assistindo ao programa dominical de televisão Silvio Santos que apresentava o Show de Calouros, tendo na época uma passagem relâmpago pela política em que se candidatou a Presidente da República tendo o seu registro cassado por razões que não cabe aqui discutir.

Ocorre esta citação porque lembrei de uma frase proferida por este famoso apresentador, quando em resposta a uma pergunta dos jurados questionando-o de onde conseguia tanta força para fazer um programa dominical, comandar uma rede de televisão além de outros negócios do grupo e ainda ter a pretensão de gerir os destino de um país.

Ao responder abriu o paletó e mostrou a camisa toda suada dizendo: 1% de inspiração e 99% de transpiração.

Meu tema deste artigo vai tratar deste assunto. Longe de mim desacreditar do esforço do trabalho, da persistência de quem quer que seja, principalmente de alguém que já provou que é bem sucedido. Aliás, eu vivo pregando ações que dão o jeito especial de fazer as coisas, como sendo determinante para sucesso profissional e pessoal.

Porém o que vale para um pode não valer para outro. É necessário tomar cuidado com citações dessa natureza e sair por aí transpirando em bica e esquecendo que a inspiração também é importante.

Imaginem se o Pelé tivesse sido somente 1% de inspiração, talvez não tivesse sido o excelente jogador que foi. Provavelmente teria sido apenas em excelente gandula.

Por exemplo, a título de comparação, com 1% de ações de uma empresa o detentor não manda nem no estacionamento.

A inspiração nasce para fornecer as estratégias e a capacidade efetiva de pôr em prática. É evidente que, para isso acontecer, devemos entrar em contato com boa fonte dela e não só 1% como também devemos buscar elementos mais profundos e não apenas os que conhecemos conscientemente.

Nesse sentido o esforço é indispensável, sem ele não damos um passo sequer. É preciso algo mais, e a inspiração sempre é bem vinda, porém em sendo somente 1% o pode não acrescentar nada e não levar as realizações desejadas.

Um profissional convocado para uma colocação de trabalho e ao ser indagado o quem tem a oferecer, respondendo que tem apenas esforço, provavelmente não será contratado. Afinal para realizar esforço já temos as máquinas e que cada vez mais as empresas buscam é as idéias e a criatividade que somente aparece com boa dose de inspiração.

Entendo a frase como um incentivo ao trabalho, mas precisamos ter cuidado, caso contrário ao interpretarmos ao pé da letra, vamos acabar dando valor apenas aqueles que fazem força.

Finalizando é preciso harmonizar inspiração com esforço. Nada de definir um percentual, mesmo porque corre o sério risco de desequilibrar a relação entre uma coisa e outra. A receita é obter a dose certa de inspiração, colocando o esforço necessário para ao final ter e excelente resultado.

João de Araújo é pós-graduado em RH, advogado e consultor trabalhista e diretor da Abal Gestão de Serviços Ltda