MERCADO DE TRABALHO

Terceirização é tendência

Há vantagens e desvantagens nesse tipo de processo. Conheça experiências que deram certo na relação entre empresários e trabalhadores.

Deixar parte do trabalho nas mãos de terceiros ou mantê-lo dentro da própria empresa? Cada vez mais os empresários brasileiros têm se deparado com essa dúvida. Mas cada vez menos eles têm resistido ao processo de terceirização.

“Resolvi terceirizar porque nos notamos que esses pontos críticos como recepção, faxina, limpeza e restaurante, por exemplo, quando o empregado dessas áreas telefona e diz que não pode vir trabalhar você fica numa situação muito difícil e quando você faz o contrato, a terceirização imediatamente a empresa coloca outra pessoa previamente treinada”, disse Antonio Carlos Costa, empresário.

E não é só para setores como limpeza, recepção, segurança e alimentação que as empresas contratam terceiros. Esse tipo de prática também tem se expandido para áreas que exigem um maior comprometimento do funcionário como informática, assessoria jurídica e recursos humanos.

O Brasil segue uma tendência mundial. Nos Estados Unidos, por exemplo, há gigantes na área de serviços terceirizados e a terceirização é levada às últimas conseqüências. Até mesmo na Guerra do Iraque funcionários de empresas particulares desempenham funções típicas de soldados americanos. Mais recentemente, muitos serviços estão sendo contratados no exterior, onde a mão de obra é mais barata. Somente este ano, 830 mil empregos foram transferidos para outros países. E até o fim de 2015, a expectativa é de que até 3,4 milhões de empregos sejam terceirizados no exterior.

No Brasil, existem hoje cerca de 2,5 milhões de trabalhadores em serviços terceirizados. Mas quais as vantagens e desvantagens de se terceirizar? Substituição imediata de funcionários. “Você mantém outra pessoa treinada sem interromper o trabalho“, disse Antonio Carlos Costa. Segundo os empresários, há benefícios tributários mas os custos são mais ou menos os mesmos. “Você está remunerando a empresa pelos custos que ela tem e mais os seus lucros”, completou o empresário.

Mas cuidado na hora de escolher a empresa que vai prestar serviço. As dicas são as mesmas tanto pra quem vai trabalhar como para o empresário que quer contratar.
– checar se a empresa é idônea;
– verificar se paga os direitos trabalhistas para os funcionários;
– e conversar com pessoas que já trabalhem lá ou com clientes.

Os direitos trabalhistas do funcionário terceirizado são iguais aos de qualquer outro trabalhador, mas os salários são menores. Em compensação terceirizar pode ser uma ótima saída pra quem está desempregado ou pra quem quer abrir um novo negócio.

Em Fortaleza, Augusta de Souza, trabalhava numa empresa, como contadora. Era a guardiã de papéis importantes, como notas fiscais, duplicatas. Foi aí que ela percebeu que o mercado precisava de um serviço especializado em arquivar documentos de um jeito organizado. Ela montou uma microempresa e hoje terceiriza o serviço para cinco empresas. Ela fala quais as vantagens de trocar o emprego fixo pela terceirização de serviços: “O primeiro cliente foi a empresa em que eu trabalhava. Eu sentia necessidade e foi quando tive a visão de começar esse negócio. Os próximos foi indicação do próprio cliente e lista telefônica“, disse a microempresária.

E quem pensa que trabalhar terceirizado é ficar sempre numa mesma função, se engana. O Mendes que o diga. Trabalhou cinco anos na portaria de uma gráfica. Até que seu esforço e simpatia chamaram a atenção do dono. Foi contratado pela empresa e até promovido – de funcionário e virou supervisor de almoxarifado. “Através da competência a gente consegue tudo, né”, disse. E admite estar feliz agora com essa mudança na vida: “É um aprendizado muito grade, um salário muito melhor, agora é só casar. Viche, por enquanto não”, brincou.

Fonte: Jornal Hoje – Tv.Globo

Fechar Menu