VALE: o escrito, e o falado também

“Hoje os profissionais de Recursos Humanos
 prestam atenção na maneira como as pessoas falam e também não
dispensam o recurso de texto para avaliar a capacidade do candidato”.

 

A capacidade de expressar corretamente pode ser decisiva na sua carreira profissional. Não basta escrever ou falar bem, as duas coisas devem estar bem sintonizadas a fim de refletir corretamente a sua forma de expressão.

Como exemplo posso citar o meu caso. No início tinha dificuldade para escrever por falta de clareza naquilo que queria dizer. Melhorei ao preparar-me para o vestibular, mas como precaução decorei alguns modelos de redação com temas variados. No exame o tema não tinha nada a ver com o que estava decorado e penei para escrever a redação da prova. Aprendi com o episódio e melhorei através do interesse e prática da leitura de assuntos variados procurando treinar a escrita e a interpretação.

Terminei a faculdade de Direito e fui fazer pós-graduação na minha área de atuação em Recursos Humanos. Aí apareceu outro problema, sabia escrever mais tinha problemas para falar, principalmente em público, pois naquela época e acredito que ainda hoje, as faculdades não preparavam o formando para explanar suas ideias em público. Tanto que na aula que fui expor meu trabalho tive calafrios pelo corpo todo e tremia igual vara de bambu no vendaval. Resolvi este obstáculo participando de cursos e praticando a fala em público sempre quando há oportunidade. Em síntese aprendi que escrever e falar é uma questão de treinamento.

De volta ao tema, falar e escrever bem ajuda não apenas no dia-a-dia de um profissional, mas são fatores que podem decidir uma contratação ou promoção, pois a habilidade na comunicação está diretamente associada à qualidade do trabalho.

Hoje os profissionais de Recursos Humanos prestam atenção na maneira como as pessoas falam e também não dispensam o recurso de texto para avaliar a capacidade do candidato, pois para manter-se no emprego o profissional teve ter conhecimento, competência e saber relacionar-se.

O advento do computador e Internet são fatores que exigem a necessidade das pessoas saberem expressar através da escrita. O número de mensagens que circulam nas empresas são enormes, exigindo dos profissionais habilidades ao escrevê-las e interpretação ao recebê-las.

Não vejo nas empresas estímulo para que os funcionários tenham uma vida cultural mais intensa, pois entendo que o contato com livros motiva a autoeducação, ajudando no desenvolvimento do pensamento próprio e na construção da personalidade. A empresa que investe na cultura do funcionário certamente terá um profissional melhor capacitado.

Necessário também é a iniciativa de cada um invista em si próprio, buscando informações e aprendizado, pois é certo que se você souber expressar, terá mais condições de se fazer entender, terá facilidade em convencer as pessoas, de influenciar e fazer-se ouvir, enfim, vai poder liderar com maior eficácia e ser um profissional valorizado.

João de Araújo é pós-graduado em RH, advogado atua na área trabalhista, diretor da Abal Gestão de Serviços Ltda.